Histórias



Ele Vive

Ao final da lição a criança deverá:
SABER que, após sua ressureição, Jesus ordenou que seus discípulos falassem dEle a outros.
SENTIR ser seu dever falar do Salvador ressurreto a outros.
RESPONDER, aproveitando toda oportunidade para falar de Jesus.

PENSAMENTO CENTRAL: Jesus quer que eu fale Dele a outros.
VERSO PARA MEMORIZAR: “Cristo morreu pelos nossos pecados... e ressuscitou”. 1 Co. 15:3,4.
LEITURA AUXILIAR: Mt. 27:57-66; 28:1-10; Mc 15: 42-47; 16:1-13; Lc 23:50-56; 24:1-35; Jo 19:38-42; 20:1-18; O Desejado de Todas as Nações, 738-761.


RECURSOS NECESSÁRIOS: Memorizando: vidro de remédio, Bíblia;Conquistando a Atenção: gravuras de porta e/ou objetos de vidro, ferro e madeira; Lição: tecido branco, lenço branco, talco perfumado, boneco, manta, lençol ou colcha, mesa, círculo grande de papelão (para ser a porta da sepultura), vidros de perfume, figura da página 119; Revisando: círculo de papelão usado na lição; Contando aos Outros: cópia da figura da pág. 120 para cada criança, cola, tesoura, lápis de cor.


COMO PREPARAR OS RECURSOS NECESSÁRIOS:

Lição:
Sepultura - Cobrir uma mesa com uma colcha, lençol ou cobertor. Prender uma parte da frente com alfinetes para formar a entrada. Cortar a pedra em papelão grande (aproveite caixas grandes de papelão). Ao mostrar como colocaram a pedra no lugar, rolá-la como se estivesse fazendo muita força. Prendê-la com etiqueta adesiva ou fita crepe, como se fosse o selo romano.









MEMORIZANDO (até 10 minutos):
Dizer: Quando estamos doentes precisamos tomar remédio. Às vezes o remédio pode ser muito amargo e não gostamos de tomá-lo. Mostrar um vidro de remédio e fazer expressão de desagrado. Mas quando passa o mal-estar, ficamos alegres de novo e nos esquecemos da amargura do remédio. Jesus morreu pelos nossos pecados. Tudo que Ele sofreu foi por nossa culpa, recebendo o castigo que nós merecíamos. Isso nos deixa muito tristes. Abaixar a cabeça. Mas Jesus não ficou morto. Ele ressuscitou! Está vivo! Essa notícia é maravilhosa! Ela está escrita na Bíblia. Segurar a Bíblia aberta com muita reverência e repetir o versículo e a referência. “Cristo morreu pelos nossos pecados e ressuscitou”. Primeira aos Coríntios quinze, três e quatro. Depois, passar a Bíblia de mão em mão. Enquanto cada criança segura a Bíblia o versículo será repetido com a referência. No princípio, provavelmente, só o professor vai falar, mas com a repetição, logo as crianças o acompanharão. Depois dessa “leitura”, as crianças marcharão pela sala, repetindo o versículo, andando tristes e cabisbaixas na primeira parte e com a cabeça erguida e alegres na segunda parte. Na Bíblia, o nosso versículo é bem mais comprido, e quando você for grande e souber ler de verdade, você vai ler assim:(Repetir o verso completo). Mas nós hoje vamos aprender só esta partezinha.


CONQUISTANDO A ATENÇÃO (até 10 minutos) :
Mostrar gravuras de diversos tipos de porta (se não encontrar gravuras, desenhe-as na lousa ou em um cartaz): porta de madeira, de vidro, com grade, de ferro, etc. Explicar onde e como são usadas. Dizer: Em nossa lição de hoje falaremos de uma porta diferente, uma porta de pedra.
ESTUDO DA LIÇÃO (até 25 minutos, incluindo apresentação da lição, revisão, aplicação e contando aos outros):
A. APRESENTANDO A LIÇÃO:
Às vezes ficamos muito triste, mas a tristeza passa e ficamos alegres outra vez. Os discípulos passaram por isso.
Depois que Jesus morreu e houve o terremoto, João, Maria Madalena e outras mulheres ficaram ali, perto da cruz, chorando de tristeza e pensando no que fariam. Eles não tinham dinheiro para comprar uma sepultura. Também não sabiam como pedir autorização a Pilatos para tirar o corpo de Jesus da cruz. E eles precisavam agir logo por que o pôr-do-sol logo estava quase chegaando. Naquele momento dois homens ricos que amavam a Jesus apareceram para resolver esses problemas: José e Nicodemos. José foi até Pilatos e pediu para tirar o corpo da cruz. Nicodemos trouxe uma grande quantidade de um pó cheiroso. Derramar talco no lençol. José envolveu o corpo em um lençol bem branquinho e colocou um lenço também branquinho em sua cabeça. Envolver um boneco em um tecido branco, cobrir o rosto com um lenço branco. Pedir ajuda das crianças para fazer isso, se for conveniente. Eles, João e algumas mulheres levaram Jesus até um jardim onde havia uma sepultura. A sepultura que José havia mandado fazer para ele mesmo. Ali eles colocaram o corpo de Jesus. Colocar o boneco dentro da “caverna”. Eles rolaram uma grande pedra para fechar a entrada. Rolar a “pedra”, aparentando fazer muita força. Foi necessário muita força para rolar aquela pedra. Depois foram para casa porque o sol estava se pondo e o sábado já ia iniciar.
Os sacerdotes sabiam que Jesus havia dito que ressuscitaria, por isso mandaram que 100 soldados ficassem vigiando a sepultura de Jesus. Além disso, eles colocaram selos em cima dela, para que ninguém abrisse a sepultura sem ser percebido. Colar algumas etiquetas auto adesivas ou pedaços de fita crepe sobre a “pedra”.O corpo de Jesus ficou todo o sábado na sepultura. Caminhar em direção oposta à sepultura para desviar o olhar das crianças. Enquanto isso outra pessoa deve, discretamente, pegar o boneco e colocar a figura de Jesus ressuscitado dentro do túmulo.Durante esse tempo, os discípulos ficaram muito tristes e choraram muito. Eles nem imaginavam que uma coisa maravilhosa estava para acontecer.
Depois do sábado, quando estava para amanhecer o domingo, os soldados estavam em seus postos guardando a sepultura. De repente, um terremoto sacudiu o chão e um anjo poderoso, que brilhava como o sol, apareceu e rolou a grande pedra que fechava o túmulo como se fosse uma pena. Rolar a pedra e tirar a figura de Jesus lá de dentro. E, naquele momento, Jesus saiu de lá totalmente vivo e vitorioso sobre a morte! Os soldados ficaram apavorados e caíram no chão. Eles perceberam que haviam crucificado o Filho de Deus. Quando a luz desapareceu os soldados correram para a cidade e contaram a novidade para todos que encontravam. Os sacerdotes ficaram muito amedrontados. Eles não queriam que o povo soubesse que Jesus estava vivo. Então, eles ofereceram dinheiro para os soldados mentirem dizendo que os discípulos de Jesus tinham roubado Seu corpo da sepultura. Os soldados contaram tudo para Pilatos e ele também concordou em que contassem aquela mentira.
Enquanto isso, Maria Madalena chegou à sepultura. Aproximar-se da sepultura e olhar para dentro.Ela encontrou o sepulcro vazio e sem a guarda dos romanos. Assustada, ela correu para avisar os discípulos. Sair de perto apressadamente.
Quando Maria saiu de perto do sepulcro, outras mulheres chegaram, por outro caminho, sem encontrar com ela. Mostrar vidros de perfumes. Elas levavam perfumes e óleos para passarem no corpo de Jesus. Ao verem a sepultura vazia ficaram assustadas e o anjo que abriu a sepultura apareceu e falou: “Porque procuram entre os mortos o que está vivo? Ele não está aqui, mas ressurgiu. Vão e contem aos discípulos”. Elas então saíram correndo para contar para todo mundo e onde encontravam alguém elas diziam (falar com voz entusiasmada): “Ressuscitou! Jesus ressuscitou! Ele está vivo!”.
Enquanto isso, Maria Madalena já tinha avisado os discípulos de que o corpo de Jesus havia desaparecido. Mas não sabia ainda da ressurreição. Pedro, João e ela saíram para ir ao sepulcro mas foram por outro caminho e não encontraram as outras mulheres. Chegando lá, Pedro e João viram que realmente o corpo havia desparecido e voltaram para a cidade. Maria ficou lá, chorando. Fazer expressão de choro. Ela chorava tanto e seus olhos estavam tão cheios de lágrima que dois anjos se aproximatram e ela, por não enxergar direito, pensou que eram dois homens. Eles perguntaram: “Mulher, porque você está chorando?” Ela respondeu (falar com voz chorosa): “Porque levaram meu Senhor”. E virou-se para ir embora.
Outra pessoa aproximou-se e perguntou: “Porque você está chorando?” Ela continuava chorando e suas lágrimas continuavam atrapalhando-a de enxergar direito. Por isso, ela pensou que era o jardineiro que estava falando e perguntou se ele sabia onde tinham colocado o corpo de Jesus. Naquele momento a pessoa falou: “Maria!” E ela quase não acreditou quando reconheceu a voz. Era o próprio Jesus que estava falando com ela! Que alegria! As lágrimas de Maria se transformaram em um grande sorriso. E Jesus falou: “Vá e conte a Meus discípulos!” Maria saiu correndo e alegremente contou aos discípulos: “Jesus está vivo! Eu o vi! Ele ressuscitou!”
Jesus tinha avisado várias vezes que morreria, mas que ressuscitaria ao terceiro dia. Mas os discípulos estavam esquecidos disso e não acreditaram no que as mulheres disseram. Eles acharam que elas estavam imaginando coisas e continuaram tristes e com medo. Até que Jesus apareceu pessoalmente para eles. Então eles esqueceram a tristeza e ficaram felizes outra vez. E Jesus lhes disse para contar a todo o mundo que Ele havia morrido para pagar os pecados de todos, mas que não ficou morto, mas ressuscitou.
Nós também podemos nos encher de alegria: nosso Salvador não está morto. Ele está vivo e nos oferece a vida eterna. Vamos contar a todos essa grande verdade!

B. REVISANDO: Colocar papeizinhos numerados dentro da sepultura. Uma criança deve pegar um papel e escolher outra criança para ir buscar seu papel. Ao escolher deve dizer: “Resuscitou! Jesus ressuscitou! Ele vive!”. A outra criança levanta-se rapidamente e vai à sepultura. Pega seu papelzinho e volta para escolher outra, dizendo as mesmas palavras. Continuar até que todos tenham seus papéis. Depois, fazer as perguntas começando pelo número 1.


C. APLICANDO:
Nós temos um Salvador que morreu pelos nossos pecados. Mas Ele não ficou morto. Ele ressuscitou e está vivo. Nosso mundo precisa saber disso. Jesus disse a Maria Madalena: “Vá e conte aos outros”. Ele também dá essa ordem a todos nós. Temos de ir e contar aos outros. Mas como podemos fazer isso?
Vou falar algumas coisas. Se o que eu falar for uma forma de contar do nosso salvador aos outros vocês devem bater palmas três vezes. Se não for vocês devem abaixar a cabeça.
- Todos os sábados Mateus distribui folhetos enquanto vai para casa, depois do culto.Bater palmas.
- Júnior convidou seu melhor amigo da escola para ir à Escola Sabatina. Bater palmas.
- Carla recebeu folhetos para serem distribuídos, mas ela os guardou e nunca entregou nenhum. Baixar a cabeça.
Todos sabem que Paulinho é um pequeno servo de Deus porque ele é muito bondoso com seus colegas e professores. Bater palmas.
- Patrícia não gosta de arrumar sua cama, nem de guardar os brinquedos. Baixar a cabeça.
- Joana responde sua mãe com grosseria diante de outras pessoas. Baixar a cabeça.
- Antonio obedece sua mãe mesmo quando não está com vontade. Seus amigos sabem disso. Bater palmas.
- Aline costuma visitar o asilo dos velhos com seus pais e contar da bondade de Jesus para eles. Bater palmas.


CONTANDO AOS OUTROS:
Dar para cada criança as peças, já recortadas Deixar que colem as cruzes no sepulcro e encaixem a pedra no corte. Enquanto trabalham, dizer: Sempre que houver oportunidade, falem do sacrifício de Jesus na cruz para nos libertar do castigo do pecado. E não se esqueçam de dizer que Ele não ficou morto, mas ressuscitou e está vivo, esperando a hora de nos levar para o Céu. Falem isso com bastante entusiasmo, como Maria falou para os discípulos.

Jesus ressurreto - Ampliar a figura e colá-la em papel cartão. Para colorir a figura, pode-se colar papel colorido na túnica de Jesus ou pintar com cola colorida.





Contando aos outros: Copiar as figuras da página 134. Colar tudo em cartolina ou papel cartão. Colar a parte D na parte C, como mostra a figura. Colar a cruz ao lado da sepultura. Cortar a linha pontilhada com estilete. Introduzir a parte D no corte. Movimentar a pedra para abrir e fechar a entrada da sepultura.



fonte: http://evangelismoinfantil.blogspot.com.br/search/label/-%20vol.2%20-%2013



História Naamã e a pequena escrava

Base Bíblica: 2 REIS 5.1-19
Objetivo: Mostrar que devemos aproveitar as oportunidades para falar de Jesus.
Versículo para decorar: 

"Vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor, o Meu servo a quem escolhi."
Isaías 43:10

Introdução

A história de hoje é de uma menina que morava em Israel e foi levada como escrava para um país muito longe da casa dela, chamada Síria. Ela aproveitou a oportunidade para falar de Deus naquele lugar.

Essa menina foi levada como escrava para trabalhar na casa de Naamã, o chefe do exército da Síria. Naamã era homem respeitado e importante, mas havia um problema sério com ele: tinha uma doença grave chamada lepra. Essa doença dá feridas horríveis no corpo.
Vendo isto, a pequena escrava disse para a mulher de Naamã que se ele procurasse em Israel um profeta de Deus, chamado Eliseu, certamente seria curado.

Naamã foi falar com o rei da Síria e ele disse que enviaria uma carta para o rei de Israel para que ele o curasse da lepra. E Naamã partiu para Israel levando consigo presentes para dar ao rei de Israel. O rei de Israel não gostou nada quando leu a carta do rei da Síria. Ele achava que era uma afronta ter que receber um leproso, pois ninguém gostava de se aproximar de alguém que tinha essa doença. O rei também achou que o rei da Síria queria começar uma guerra contra eles, aí o rei de Israel rasgou sua roupa. Olha crianças quando o rei rasgava sua roupa significava tristeza e agitação. Quando Eliseu soube da atitude do rei mandou buscar Naamã.

Naamã ficou sabendo disso e foi até a casa de Eliseu. Chegando lá, Eliseu mandou um mensageiro dizer a Naamã que deveria se lavar sete vezes no rio Jordão, e ficaria livre da sua doença.
Naamã ficou zangado com o recado; afinal ele era um homem importante e Eliseu nem saiu para lhe dar atenção, por isso resolveu ir embora. Mas os homens que estavam com Naamã disseram: "...Por que é que o Senhor não pode ir se lavar, como ele disse, e ficar curado? "

Então, Naamã resolveu se lavar sete vezes e foi curado. Que coisa boa! Ele ficou tão feliz que voltou para a casa de Eliseu para agradecer a cura.

Quis até dar presentes, mas Eliseu não aceitou, porque sabia que não tinah sido ele que realizara o milagre, mas, sim, Deus. Eliseu apenas disse: " Vai em paz".
CONCLUSÃO:
Sabem crianças, a melhor coisa que aconteceu nesta história não foi somente a cura de Naamã, mas , sim, que ele reconheceu que Deus é o Deus verdadeiro. Ele disse: " Agora eu sei que no mundo inteiro não existe nenhum deus, a não ser Deus de Israel".
Uma pequena palavra da menina fez com que Naamã fosse curado, e cresse em Deus. E você, mesmo sendo pequeno, pode ajudar as outras pessoas, falando de Jesus.
Oração: PEDIR A Deus que nos ajude a ter coragem para falar da sua Palavra as pessoas que estão próximas de nós.
fonte Bau de Historias Bilbicas


Mulher Samaritana -




Uma mulher transformada pelo
amor de Jesus – João 4.1-30,39-42

(A história será contada com objetos).

Um sapato masculino será Jesus, uma sandália feminina será a mulher samaritana. Os objetos aparecerão na história e serão usados como se fossem os próprios personagens. Providencie também uma bacia com água e uma pedra pequena, que serão usadas na introdução e depois poderão servir de poço. Providencie também um mapa para ajudar a localizar a região onde a história aconteceu.)

Hoje quero mostrar para vocês um efeito muito legal. Olhem esta bacia com água. Estão vendo? Agora vou jogar esta pequena pedra dentro da água e vamos ver o que acontece. Viram o que aconteceu? A pedra, ao cair na água, criou um movimento, pequenas ondas na água. Com a gente acontece o mesmo. Tudo que nós falamos ou fazemos para as outras pessoas, causa um impacto na vida delas. Isso pode ser bom, se nós falarmos ou fi zermos coisas boas, mas pode ser ruim se falarmos ou fi zermos coisas ruins. Por isso precisamos ter cuidado para sempre darmos o melhor exemplo. Lemos no evangelho de João que uma vez Jesus estava com seus discípulos, numa viagem da Judeia para a Galileia. Naquele tempo não havia ônibus, carro ou avião. Os que tinham melhores condições viajavam montados em algum animal, porém muitos viajavam a pé. Nessa viagem, eles precisavam atravessar uma região chamada Samaria, e as pessoas que moravam nessa região eram chamadas samaritanas. Já era meio-dia e o sol estava muito quente! Fazia bastante calor e Jesus e os discípulos começaram a ficar com fome e com sede. Então, resolveram parar perto de uma pequena cidade chamada Sicar, onde havia um poço de água muito fresquinha. Jesus sentou-se pertinho do poço, enquanto os discípulos foram até a cidade comprar algum alimento. Enquanto Jesus descansava, apareceu uma mulher que veio da cidade para pegar água no poço. Naquele tempo, as casas não tinham torneiras como hoje, nem água na geladeira. Eles tinham que caminhar para buscar água em algum poço. E aquele era um poço especial porque foi cavado havia muito tempo, nas terras que Jacó deu a seu fi lho José, por isso era chamado “o poço de Jacó”. A mulher costumava ir naquele horário para não ser vista por ninguém. Mas quando Jesus viu a mulher se aproximar, ele disse: – Você poderia me dar água para beber, por favor? Ela se assustou muito, pois naquele tempo os homens não conversavam com as mulheres, se não as conhecessem; muito menos os judeus falavam com os samaritanos, porque eles eram inimigos. Mas Jesus conversou com ela e lhe falou algumas coisas sobre sua vida; e mais assustada ainda ela fi cou. Ela pensou: – Será que este homem é um profeta? Como ele sabe tudo sobre a minha vida? Aquela mulher estava muito surpresa mesmo! Então ela disse: – O senhor é um judeu, por que está pedindo água a mim que sou uma mulher samaritana? Jesus então lhe disse: – Se você realmente soubesse quem eu sou, me pediria e eu lhe daria água viva. A mulher não entendeu muito bem e perguntou: – Mas o senhor não tem nada para tirar água e o poço é fundo, como vai me dar a água viva? Jesus queria que ela entendesse que a água da qual ele estava falando não era aquela água que ela buscava no poço, mas a vida eterna com Deus. Jesus lhe disse: – Quem bebe desta água tem sede de novo, mas quem bebe da água que eu doununca mais terá sede. A mulher gostou do que estava ouvindo. Ela queria aquela água que Jesus oferecia. Mas Jesus queria que ela mudasse realmente de vida e lhe disse: – Chame seu marido e volte aqui. Ela respondeu:
– Não tenho marido. E Jesus falou:
– Realmente, porque você já teve cinco maridos e agora o que você tem não é seu marido. A mulher não podia acreditar no que estava ouvindo!
Como aquele homem sabia disso?
– O senhor deve ser um profeta, disse ela. Jesus então lhe contou que Ele era mais que um profeta, Ele era o Filho de Deus.
Aquela mulher fi cou tão feliz que saiu dali e voltou depressa para a cidade para contar a todos sobre Jesus. Ela dizia: – Venham ver um homem que
disse tudo que já fi z sem me conhecer.
Vocês acham que ele pode ser o Cristo? Muitos creram em Jesus por causa do testemunho daquela mulher. Ela teve sua vida transformada e fi cou tão feliz que logo quis que outros soubessem da salvação que só existe em Jesus.
Revista de Missões Nacionais


Daniel orava e Deus o ajudou


Daniel orava e Deus o ajudou
(Daniel 1.1-7, 15, 17, 19; 6.1-28)

Introdução
Você já precisou mudar de casa e foi morar bem longe, sem poder ver seus pais?
É tão bom estar em casa, comer a comida gostosa da mamãe e receber o carinho dos pais. Não é verdade?
Certa vez, o povo de Deus foi derrotado pela Babilônia, e alguns jovens foram levados presos para trabalhar no palácio daquele país.Daniel e seus amigos foram para bem longe de seus pais e familiares.
Hoje, vamos saber o que aconteceu com eles naquela terra tão distante.
1- Daniel agradava a Deus.
Onde mesmo Daniel foi morar? ( dirigente dê oportunidade para que as crianças respondam)
No palácio do rei Nabucodonozor, na Babilônia. Daniel e seus três amigos, além de outros rapazes, tiveram que estudar a língua e a cultura dos babilônios, para servir ao rei.
Quando criança, Daniel aprendeu a amar e obedecer ao Deus criador dos céus e da terra.Ele foi ensinado a orar e, quando estava longe de casa, no país em que as pessoas não acreditavam em Deus e adoravam ídolos, nunca se esqueceu daquilo que aprendeu quando era menino. Daniel orava sempre pedindo sabedoria e, quando terminou o curso, ele seus três amigos foram escolhidos os melhores e mais inteligentes de todos.
Daniel fazia as coisas certas e, quando recebia algum elogio, sempre dizia que era Deus que o ajudava.
Certa noite, o rei Nabucodonozor teve um sonho que o deixou muito preocupado. Então chamou os sábios e ordenou que dissessem o que ele sonhou e qual era o significado, mas ninguém conseguiu. O rei ficou muito nervoso e mandou matar todos os sábios.Eles pediram ajuda a Daniel e seus amigos; Daniel foi até o rei e pediu um tempo para revelar o sonho e o significado. Daniel e seus amigos oraram e Deus respondeu. Daniel pediu para ir a presença do rei e, chegando lá, disse que só o Deus verdadeiro poderia dizer o sonho e seu significado. Assim Daniel falou o sonho e a interpretação ( o que significava) e todos foram salvos da morte.

2- Daniel era fiel a Deus.
Após algum tempo, a Babilônia entrou em guerra e foi derrotada por outro país. Dario, o rei desse país, passou a governar. Ele nomeou Daniel e mais outros dois homens para serem ministros no seu reino. Daniel trabalhava melhor do que os outros, por isso o rei resolveu colocá-lo como chefe de todos. Isso fez com que aqueles homens ficassem com inveja de Daniel e se tornassem seus inimigos. Eles queriam encontrar alguma coisa errada no trabalho de Daniel para prejudicá-lo. Mas como esses homens podiam prejudicar Daniel, se ele era honesto e fazia tudo direitinho? ( Deixe as crianças comentarem)
Eles perceberam que não havia nada para acusar Daniel em seu trabalho, mas sabia que ele era fiel a seu Deus e orava ao Senhor três vezes ao dia. O povo daquele pai adorava a outros deuses e até ao próprio rei. Então os inimigos de Daniel bolaram um plano para pegá-lo e foram falar com o rei:
- Nós tivemos uma idéia, rei. Faça uma lei dizendo que durante 30 dias ( um mês) será proibido orar a quem quer que seja, a nenhum Deus, a não ser para sua majestade.
O rei Dario achou que a nova lei era boa. Quem não orasse ao rei por 30 dias e pedisse a outra pessoa ou a algum deus, seria jogado na cova dos leões.( um buraco cheio de leões com muita fome)

3- Daniel confiava em Deus.
Sabem o que Daniel fez quando leu a nova lei? (dirigente deixe as crianças falarem, depois peça alguém que leia Daniel 6.10) Daniel continuou orando três vezes ao dia e não fez isso às escondidas, mas orava com a janela aberta.
Os inimigos de Daniel estavam de olho nele. E quando viram Daniel orando, foram correndo contar ao rei Dario.
O rei ficou muito triste, pois gostava de Daniel. Ele passou o dia todo tentando arrumar um jeito de livrar Daniel da cova dos leões, mas não conseguiu.
Quando jogaram Daniel na cova dos leões, o rei Dario disse:
-que o seu Deus,a quem você serve com tanta dedicação, o livre.
Durante toda aquela noite o rei não conseguiu comer nem dormir.
Bem cedinho, ele foi correndo à cova dos leões. Chegando lá, chamou com voz triste:
-Daniel, servo do Deus vivo, o seu Deus, a quem você serve, pôde livrá-lo dos leões?
Que surpresa maravilhosa Dario teve, quando lá dentro da cova ouviu Daniel dizer:
- Ó rei, vive para sempre! O meu Deus enviou o seu anjo e fechou a boca dos leões, pois eu sou inocente.
O rei mandou tirar imediatamente Daniel de lá, e nem um arranhão foi encontrado nele ou em sua roupa, porque Daniel confiou em Deus.
Sabem o que aconteceu com os inimigos de Daniel? O rei mandou que eles fossem jogados na cova dos leões, e fez outra lei ordenando que todas as pessoas de seu reino deveria respeitar e honrar o Deus de Daniel.
CONCLUSÃO
Aprendemos com Daniel que temos de orar, falar com Deus, todos os dias e confiar que Ele ouve e responde às nossas orações. Quando lemos a Bíblia e oramos, vamos aprendendo como Deus é e que suas respostas são sempre para o nosso crescimento espiritual.
Há três maneiras de Deus responder as nossas orações. Vocês sabem quais são?
Ele responde SIM, NÃO e ESPERE. Seja qual for a resposta de Deus, podemos confiar que Ele faz o melhor para cada um de nós.Vamos fazer um momento de oração.
Professor pergunte as crianças se elas têm pedidos de oração. Faça um círculo e ore junto com elas.
fonte : BAú de Histórias Bíblicas

Davi, um rei aprovado por Deus



Davi, um rei aprovado por Deus –
1Samuel 16.1-13

(A história será contada com objetos).

Cada objeto será um personagem e entrará em cena à medida que aparecer
na história.) Vocês conhecem pessoas bonitas? Existem muitas pessoas bonitas que são muito legais, mas infelizmente existem algumas pessoas que são bonitas por fora mas são muito feias de coração. Estas pessoas não agradam a Deus porque Deus se agrada do que está dentro do nosso coração. Que coisas estão no nosso coração e agradam a Deus? E que coisas Deus não gosta que estejam no nosso coração?

Certa vez, Deus ficou muito triste com o rei do seu povo. O nome dele era Saul. Saul era um homem muito forte, bonitão, por isso todos pensavam que ele seria um bom rei, mas ele não era obediente a Deus. Então Deus disse a Samuel, o sacerdote, para não ficar com pena de Saul porque Deus não queria mais que ele fosse o rei. E disse que ele deveria encher um chifre com azeite e ir até Belém, à casa de um homem chamado Jessé, pois Deus havia escolhido um dos seus filhos para ser o novo rei. Só que Samuel estava com medo, pois se Saul soubesse que haveria um novo rei, ficaria furioso! Mas Deus lhe disse para pegar um bezerro e dizer a Saul que iria a Belém oferecer um sacrifício ao Senhor. Deus lhe disse para convidar Jessé e seus filhos para o sacrifício e, na hora, Deus mostraria qual deles era o escolhido. Samuel fez tudo o que Deus falou.
Quando chegou em Belém, ele chamou Jessé e os seus filhos. Quando eles chegaram, Samuel viu Eliabe, um dos filhos de Jessé, e pensou: — Com certeza este é o escolhido de Deus. Mas o Senhor falou ao coração de Samuel: — Não se impressione com a aparência nem com a altura deste homem. Eu o rejeitei porque não julgo como as pessoas julgam. Elas olham para a aparência, mas eu vejo o coração. Então Jessé continuou chamando seus filhos, ao todo sete, mas Samuel entendeu que nenhum daqueles era o escolhido de Deus. Então Samuel perguntou a Jessé: — Você tem outro filho? Jessé respondeu: — Tenho mais um, o caçula, mas ele está fora, tomando conta das ovelhas. Samuel pediu que o chamasse e quando ele chegou o Senhor falou que ele seria o novo rei. Davi era ainda bem jovem, sem experiência, e era bonito, mas agradava a Deus porque o amava de todo o seu coração. Muitos acham que as crianças não entendem nada e não têm idade para serem usadas por Deus, mas isso não é verdade. Você não precisa esperar crescer para ser usado por Deus, pode hoje mesmo orar, contribuir para missões, falar de Jesus aos seus amigos e assim será uma criança linda aos olhos de Deus.
Revista de missões Nacionais 2011


A CONVERSÃO DE PAULO

Saulo, pois era assim que Paulo se chamava antes de aceitar a Jesus ele era um homem de pequena estatura, homem natural de Tarso uma cidade da região da Cílicia (Atos 21.39), era judeu , era também um importante religioso que não gostava dos cristãos então ele prendia homens e mulheres com correntes , algemas, levava eles para a prisão e por conta disso muitos cristãos fugiam para outras cidades com medo.

Mais Saulo sabendo disso resolveu levar a perseguição aos cristãos para outras cidades também, assim, Saulo partiu para Damasco, cerca de 240 km distante, provido de credenciais que lhe dariam autoridade para, encontrando os “que eram do caminho, assim homens como mulheres, os levasse presos para Jerusalém” (Atos 9:2).

E Saulo durante a viagem, dia após dia, no pó da estrada e sob o calor escaldante do sol viu ao longe a cidade de Damasco, mais aconteceu uma coisa da qual Saulo não esperava: uma luz que vinha do céu brilhou em volta dele. Ele caiu no chão e ouviu uma voz que dizia: — Saulo, Saulo, por que você me persegue? — Quem é o senhor? — perguntou ele. A voz respondeu: — Eu sou Jesus, aquele que você persegue e Saulo se levantou do chão e abriu os olhos, mas não podia ver nada. Então homens que viajavam com ele o pegou pela mão e o levaram para Damasco,e lá ele ficou três dias sem poder ver e durante esses dias não comeu nem bebeu nada. Em Damasco morava um seguidor de Jesus chamado Ananias. Ele teve uma visão, e nela apareceu o Senhor, chamando: — Ananias! Ele respondeu: — Aqui estou, Senhor! E o Senhor lhe disse: — Apronte-se, e vá até a casa de Judas, na rua Direita, e procure um homem chamado Saulo da cidade de Tarso e Ananias obedeceu ao Senhor disse mais a Ananias : — Vá, pois eu escolhi esse homem para trabalhar para mim, a fim de que ele anuncie o meu nome aos não-judeus, aos reis e ao povo de Israel. Eu mesmo vou mostrar a Saulo tudo o que ele terá de sofrer por minha causa. Então Ananias foi, entrou na casa de Judas, pôs as mãos sobre Saulo e disse: — Saulo, meu irmão, o Senhor que me mandou aqui é o mesmo Jesus que você viu na estrada de Damasco. Ele me mandou para que você veja de novo e fique cheio do Espírito Santo. No mesmo instante umas coisas parecidas com escamas caíram dos olhos de Saulo, e ele pôde ver de novo. Ele se levantou e foi batizado; depois ele comeu alguma coisa e ficou forte como antes. Saulo ficou alguns dias com os Cristãos em Damasco e começou imediatamente a anunciar Jesus nas sinagogas, dizendo: — Jesus é o Filho de Deus. Todos os que ouviam Saulo ficavam admirados e perguntavam: — Não é este o homem que em Jerusalém estava matando os Cristãos? Não foi ele que veio até aqui para prender e levar essa gente aos chefes dos sacerdotes?

Mas as mensagens de Saulo se tornavam cada vez mais poderosas. E as provas que ele apresentava de que Jesus era o Messias eram tão fortes, que os judeus que moravam em Damasco ficavam calados, sem ter o que dizer.

Deus através do seu filho Jesus, que resgatou Paulo e o perdoou de todos os seus pecados, mudou seu coração e o seu nome para Paulo, para que ele fosse um grande pregador da Palavra de Deus.

APLICAR O PLANO DE SALVAÇÃO

Deus é conhecedor de tudo o que fazemos, inclusive ele sabe como está o nosso coração ele sabe se ele está sujo(cheio de pecado) ou não, pois assim como Ele viu o coração de Paulo, Ele pode ver o nosso também. Jesus viu que o coração de Paulo estava cheio de pecado(mostra o marrom), pois Paulo fazia muita coisa ruim, prendia, maltratava os cristão, como nós também que muitas vezes desobedecemos nossos pais, professores, brigamos com nossos amiguinhos, mentimos tudo isso é coisa que desagrada a Deus é pecado, como diz no livro de Romanos 3.23a “Porque todos pecaram.” Você precisa aprender também que coisas ruins que você faz é pecado, mais, escute… Deus tem Boas Novas para você! Ele tem um remédio que faz possível nos livrar dos pecados! Nós não podemos fazer nada para limpar os nossos corações. Mas Deus pode e o fará…se crermos no que está escrito na Bíblia no livro de Iª Coríntios 15.3-4: “que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” .(mostra o vermelho). Deus derramou seu sangue na cruz por você por mim e por Paulo como diz lá em Iª João 1.7c ... “e o sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo pecado”. É maravilhoso saber que Deus não somente nos ama, mais que nos quer no Céu, o Senhor Jesus entra em nossos corações e fica para nos salvar do pecado, e o nosso coração fica limpo (mostra o branco))foi assim que o coração de Paulo ficou depois que ele ficou cego, reconheceu seus pecados aceitou a Jesus o coração dele ficou branquinho, limpo, purificado e é assim que o nosso também fica quando reconhecemos que erramos e pedimos perdão de verdade, branquinho! É assim que diz no Salmo 51.7b “... e ficarei mais alvo do que a neve”. Quando Paulo aceitou a Jesus ele mudou o nome de Saulo para Paulo ele nasceu de novo(aquele homem mal foi embora e agora vive um homem que é obediente a Deus), ganhou uma nova vida,(mostra overde) a vida eterna em João 3.36a diz “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna.” Você agora crê no Senhor Jesus como Salvador e Senhor da sua vida? (espere que elas respondam) Então, você tem a vida eterna e esta nova vida precisa ser alimentada pela leitura da Palavra de Deus a Bíblia e pela oração. Esta cor (mostra oamarelo) representa o céu, mais pra chegarmos até aqui precisamos reconhecer nosso pecado, nos livrar dele, obedecer a Deus, aprendermos da sua palavra e orarmos e foi isso que Paulo fez e nós estamos na fase de aprendermos a palavra de Deus e orando sempre, pois o Senhor esta nos esperando em um lugar lindo, onde não existe choro, nem tristeza, nem fome, nem briga ,“E Deus enxugará dos olhos as lágrimas e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor” é o que diz em Apocalipse 21.4, pra juntos morarmos com Ele, quem quer morar no céu com Jesus? . Somente Deus poderia criar um lugar tão maravilhoso. E Deus quer vocêlá com Ele para ser feliz eternamente. Por isso vamos nessa hora vamos orar agradecendo a Deus pelo presente da salvação mais antes repita comigo: “Muito obrigado Senhor”e ore também pela vida de quem aceitou ir morar no céu com Jesus.
Fonte: Baú de Historias Biblicas




História de Ana

1- Revisão da lição anterior: “Rute” (faça algumas perguntas para as crianças).

2- Objetivo: Levar às crianças a conhecer e a usar a oração de súplicas, de clamor por um pedido.

3- Quebra-Gelo: Você já conseguiu alguma coisa da sua mãe ou de uma outra pessoa, porque você insistiu, pediu muitas vezes?

4- Versículo para Memorizar: “Não fiquem preocupados com coisa alguma; em tudo sejam conhecidas, diante de Deus, as suas petições, pela oração e pela súplica” - Filipenses 4:6

(Líder enfatize a oração de súplica que as crianças devem fazer. Súplica não é uma simples oração, mas é uma oração de clamor, de choro, de muita fé, com fervor, diante de um pedido que realmente precisamos que o Senhor nos atenda!)

5- Referência Bíblica: 1 Samuel 1:1 a 2:21

6- Mensagem: Havia um homem da tribo de Efraim, chamado Elcana, que vivia na cidade de Ramá, na região montanhosa de Efraim. Elcana tinha duas mulheres, Ana e Penina. Penina tinha filhos, porém Ana não tinha. Penina, sua rival, provocava e humilhava Ana porque o Senhor não permitia que ela tivesse filhos. Isso acontecia ano após ano. Sempre que iam ao santuário do Senhor, Penina irritava tanto Ana, que ela ficava só chorando e não comia nada. Certa vez eles estavam em Siló e tinham acabado de comer. Eli, o sacerdote, estava sentado na sua cadeira, na porta da Tenda Sagrada. Aí Ana se levantou aflita e, chorando muito, orou a Deus, o Senhor. E fez esta promessa solene: — Ó Senhor Todo-Poderoso vê a minha aflição e lembra-se de mim! Se tu me deres um filho, prometo que o dedicarei a ti por toda a vida e que nunca ele cortará o cabelo. Ana continuou orando ao Senhor durante tanto tempo, que Eli começou a prestar atenção nela e notou que os seus lábios se mexiam, porém não saía nenhum som. Ana estava orando em silêncio, mas Eli pensou que ela estava bêbada e disse: — Até quando você vai ficar embriagada? Veja se pára de beber! — Senhor, — respondeu ela —, eu não estou bêbada. Estou desesperada e estava orando, contando a minha aflição ao Senhor. Eu estava orando daquele jeito porque sou muito infeliz e sofredora. Então Eli disse: — Vá em paz. Que o Deus de Israel lhe dê o que você pediu! Ela ficou grávida e, no tempo certo, deu à luz um filho. Pôs nele o nome de Samuel. Elcana e a sua família foram a Siló para oferecer ao Senhor o sacrifício anual e o sacrifício especial que ele havia prometido. Ana, porém, não foi. Ela disse ao marido: — Assim que o menino for desmamado, eu o levarei ao santuário de Deus, o Senhor, para que ele fique lá toda a sua vida. Depois que ele foi desmamado, ela o levou a Siló. Samuel era muito novo, tinha dois ou três anos, quando a sua mãe o levou à casa do Senhor, em Siló. Os pais de Samuel ofereceram o touro em sacrifício e levaram o menino para Eli. Ana disse: —Eu pedi esta criança a Deus, o Senhor, e ele me deu o que pedi. Por isso agora eu estou dedicando este menino ao Senhor. Então eles adoraram a Deus ali. Ana, a sua mãe, todos os anos fazia uma túnica para ele e a levava quando ia com o seu marido oferecer o sacrifício anual. Então Eli abençoava Elcana e a sua mulher e dizia: — Que o Senhor Deus dê a você e a Ana, a sua mulher, outros filhos para tomarem o lugar do que foi dedicado a ele! Depois eles voltavam para casa. E o Senhor abençoou Ana, e ela teve mais três filhos e duas filhas. E o menino Samuel crescia no serviço de Deus, o Senhor.

7- Aplicação: Ana foi persistente, e clamou ao Senhor com choro! Ela queria ter um filho. E Deus ouviu o seu clamor e lhe deu Samuel. Você tem um grande pedido para fazer ao Senhor? Então você não pode fazer uma oração qualquer. Você tem que fazer como Ana: suplicar, clamar, chorar por aquilo que você precisa que Deus faça em sua vida. E Ele te ouvirá, e algo vai acontecer! Ore com fé, crendo que o Senhor vai agir e te ajudar!

8- Atividade: Brincadeira: “ SOPRA-SOPRA” - Material: balões de assoprar, papel sulfite, canetas coloridas. Escrever frases da história de Ana, em tiras de papel sulfite, e colocá-las dentro dos balões. As crianças deverão assoprar o balão até estourar. Em seguida, recolher as frases e montá-las na sequência da história. Variação: pode fazer frases da história ou palavras do versículo.

9- Comunhão / Encerramento
Fonte: Água Viva Kids.


História de Jonas:

Não adianta tentar fugir da presença de Deus.




História de Jonas

1. Objetivos:

* Ensinar que devemos obedecer na primeira vez que sou mandada.

2. Lição Bíblica: Jonas 1 a 4 (Base bíblica para a história o professor)

Versículo para decorar:

Jonas 2.2 “Na minha angustia clamei ao Senhor, e ele me respondeu; do ventre do abismo gritei, e tu me ouviste a voz”.

Ponto de contato:

Quando seus pais mandam você fazer alguma coisa, você obedece na hora? Às vezes é difícil obedecer a primeira vez. Talvez você tenha uma outra coisa que quer fazer primeiro; talvez você acha que o trabalho que eles pediram para você fazer pode esperar por um ou dois minutes; ou talvez você simplesmente não quer faze-la. Se esperar, você está pedindo problemas. É melhor fazer na hora o que eles mandaram; isto é agradável a Deus.

Hoje, vamos aprender sobre um homem que tentou fugir de Deus quando não queria obedece-Lo e assim enfrentou grandes problemas.

Certo dia o Deus Eterno disse a Jonas, filho de Amitai:

- Apronte-se, vá a grande cidade de Nínive e grite contra ela, porque a maldade daquela gente chegou aos meus ouvidos.

Jonas se aprontou, mas fugindo do Deus Eterno, indo na direção contraria. Ele desceu a Jope e ali encontrou um navio que estava de saída para a Espanha. Pagou a passagem e embarcou a fim de viajar com os marinheiros para a Espanha, para longe do Deus Eterno. No entanto, Deus mandou um forte vente, e houve uma tempestade no mar. Era tão violenta, que o navio estava em perigo de se partir ao meio. Os marinheiros ficaram com muito medo e gritavam por socorro, cada um ao seu deus. E, para que o navio ficasse mais leve, jogaram a carga no mar. Porém Jonas tinha descido ao porão e ali havia se deitado e caído num sono profundo.

O capitão do navio o encontrou ali e disse:

- Como é que você está ai dormindo? Levante-se e paca socorro ao seu deus. Pode ser que ele tenha pena de nós e não deixe a gente morrer.

Os marinheiros disseram uns aos outros:

- Vamos tirar a sorte para descobrir quem é o culpado de estarmos neste perigo

Eles fizeram isso, e o nome de Jonas foi sorteado. Então lhe perguntaram:

- Agora diga: Quem é o culpado de tudo isto? O que você está fazendo aqui? De onde você vem? De que país você é, e qual é o seu povo?

- Eu sou hebreu – respondeu Jonas – e adoro o Eterno, o Deus do céu que fez o mar e a terra.

Em seguida Jonas contou que estava fugindo do Deus Eterno. Aí os marinheiros ficaram mais apavorados ainda e disseram:

- Veja só o que você fez!

A tempestade piorava cada vez mais, de modo que os marinheiros perguntaram a Jonas:

- Que devemos fazer com você para que o mar se acalme?

Jonas respondeu:

- Vocês me peguem e me joguem no mar, que ele ficará calmo, pois eu seu que foi por minha culpa que esta terrível tempestade caiu sobre vocês.

Em vez de fazerem isso, os marinheiros começaram a remar com toda a força, tentando levar o navio para a praia; porém não conseguiam nada porque a tempestade piorava ainda mais. Então oraram bem alto, assim:

- Ó Deus Eterno, não nos castigues com a morte, por tirarmos a vida deste homem. Pois é tu, ó Eterno, quem está fazendo isso, e o que está acontecendo é da tua vontade.

Em seguida os marinheiros pegaram Jonas e o jogaram no mar, e logo o mar se acalmou. Eles ficaram com tanto medo do Deus Eterno, que lhe ofereceram um sacrifício e lhe fizeram promessas.

O Deus Eterno ordenou que um grande peixe engolisse Jonas. E ele ficou dentro do peixe três dias e três noites. Então Jonas, do ventre do peixe, orou ao Senhor Deus.

Então o Deus Eterno deu ordem ao peixe, e ele vomitou Jonas na praia.

Pela segunda vez Deus disse a Jonas:

- Apronte-se, vá a grande cidade de Nínive e anuncie ao povo de lá a mensagem que eu vou dar a você.

Jonas se apontou e foi a Nínive como o Deus Eterno havia ordenado, e então começou a anunciar:

- Dentro de quarenta dias Nínive será destruída!

Então os moradores de Nínive creram de Deus e resolveram que cada um devia jejuar, e vestiram sacos de panos grosseiros a fim de mostrar que estavam arrependidos.

Quando o rei de Nínive soube disso, mandou dizer ao povo o seguinte:
- Que cada pessoa ore a Deus com fervor e abandone os seus maus caminhos e as suas maldades. Talvez assim Deus mude de idéia. Talvez o seu furor passe, e assim não morreremos.
Deus viu o que eles fizeram e como abandonaram os seus maus caminhos. Então mudou de idéia e não castigou a cidade como havia dito que faria.
Lição Pratica: Converse com as crianças sobre a importância de obedecer na hora.
1. Você acha melhor obedecer na hora ou esperar um pouquinho? Por que?
2. Você acha que quando você obedece a primeira vez que seus pais estão contentes? Por que?
3. Seus pais ficam nervosos quando têm que mandar você muitas vezes para fazer um certo trabalho? Por que?
4. Como você sentiria se alguém não obedeceu na hora?
5. Sua família seria mais contente se você obedecesse a primeira vez?
6. Aprender obedecer na hora pode ajudá-lo a crescer e enfrentar a vida dia-a-dia?
Perguntas:
1. Para onde Jonas foi mandado ir?
2. O que Jonas fez?
3. O que aconteceu a seu navio?
4. O que os outros homens no navio fizeram a Jonas?
5. O que aconteceu a Jonas no mar?
6. Depois, Jonas obedeceu a Deus?
Visuais com uma bela história que ensina aos pequenos o poder da Oração. Ótima para o departamento infantil .







Linda essa história de Jesus
Visuais e texto com toda história
maravilhosa essa história do Mestre
 






Visuais para contar a História da criação
E disse Deus!





Visuais para contar a história :
A pesca Maravilhosa
Lucas 5 1-11



O primeiro milagre de Jesus: a multiplicação








Zaquel o publicano











Historias da APEC
Extraído da revista O Evangelista de crianças
Outubro, novembro e dezembro de 1998
















 


     




Extraído da revista O Evangelista de crianças

Outubro, novembro e dezembro de 1998


A FAMÍLIA GARRRAFA

Flávia Brasil Esteves

Apresentação:

Arranje cinco garrafas de tamanhos diferentes, preferivelmente de vidro transparente, procurando aproximar os tipos de garrafas com os membros da “família”. Leia a estória antes de caracterizar os “personagens”.

1. Papai Garrafa

Arranje uma garrafa de boa altura, fina, em cujo gargalo se colocará uma moeda ou nota meio enrolada.

2. Mamãe Garrafa

Pode ser bojuda, não muito alta, podendo ter como tampa uma panela de brinquedo ou qualquer outro objeto doméstico.

3. Florinda Garrafa

Será ideal ser representada por uma garrafa de vidro trabalhado, não muito alta, sendo colocada no alto uma flor ou um ramalhete de flores.

4. Rosa Garrafinha

De pouca altura e pequeno diâmetro, lembrando uma “menina”. Como tampa, poderá servir um carretel (ou retrós) de da linha.

5. Zezé Garrafa Bolão

Deve ser de pouca altura, tendo como “cabeça” uma bola de plástico ou borracha.

As garrafas devem estar vazias; uma boa quantidade d’água deve estar à disposição do narrador, que deverá usa-la para encher as garrafas no momento propício.

Começa-se então, a estória, apresentando-se cada membro da família Garrafa.

Lição

Aqui está Papai Garrafa, alto, magro, sempre preocupado com os negócios. Trabalha muito – de manhã à noite – e se preocupa só em ganhar dinheiro. Os propósitos da sua vida estão resumidos em dinheiro. Podemos vê-lo ao chegar em casa à noite, cansado e nervoso. Já vem gritando com todos, sem pensar que mamãe Garrafa e os filhos também tiveram os seus afazeres e contrariedades. Negócios, dinheiro – dinheiro, negócios – esta é a única preocupação de papai Garrafa.

Olhemos agora para Mamãe Garrafa. Que vida atarefada! Cuida dos filhos, cozinha, varre e limpa a casa; não tem o mínimo de sossego durante o dia; sua maior preocupação é manter tudo na maior ordem e o mais perfeito possível; e por isso mesmo vive correndo de lá para cá; sua vida é uma roda-viva entre as coisas materiais.

E aqui está sua filha mais velha – Florinda Garrafa. É mocinha já. Os seus pensamentos são leves como uma pluma e está sempre com roupas bonitas e enfeites atraentes. Com isto a sua cabecinha está cheia, não dando lugar a estudos e coisas mais sérias. Sonha bastante, lê romance, assiste novelas, e então dá asas a sua imaginação. Não tem senso de responsabilidade; por exemplo, não sente que Mamãe Garrafa talvez esteja cansada e precisa de alguma ajuda. Florida não pode estragar o seu penteado, suas unhas, sua “toilette”.

E aqui está Rosa Garrafinha, menina de dez anos. É meiga, boazinha, estudiosa, alcançando sempre boas notas na escola. Gosta de costurar para suas “filhas” – as bonecas, e assim vive despreocupada com outros assuntos. É quieta e procura não atrapalhar os outros, mas pensa só em si, esquecendo-se que já é grande e pode ser de muito auxílio para o próximo.

Por último vem Zezé Garrafa Bolão. É um menino de sete para oito anos. É o valentão do lugar. Comanda todos os garotos, e muitas janelas já foram quebradas por causa da sua mania por futebol. Não tem consideração pelas coisas de casa, não procura poupara a Mamãe com todo o seu serviço. Geralmente está com a camisa suja ou rasgada, os sapatos cheios de lama, os cabelos em desalinho.

Toda a vizinhança conhece a família Garrafa tal qual a temos descrito. Um certo dia, porém, algo aconteceu para que tudo se transformasse. Uma pequena influiu para que todos os membros da família se tornasse completamente diferentes. Veja o que aconteceu:

Convidada por uma amiguinha, Rosa Garrafinha foi a uma aula bíblica. Lá teve a oportunidade de ouvir de Alguém chamado Jesus Cristo. Ouviu que Ele é o Filho de Deus, deixou Seu lar no Céu e veio aqui à terra para encher vidas vazias com a Água da Vida. Todos os corações, de crianças e adultos, são secos e sedentos por causa do pecado. Mas Jesus levou nossos pecados sobre si na cruz, tomando o castigo que merecíamos. Morreu, mas ao terceiro dia ressuscitou e está vivo, no Céu. Por isso, Ele agora pode nos oferecer de graça esta água preciosa. – Rosinha pensou: “É justamente isso que eu preciso!” Com um coração sincero e humilde voltou-se para Cristo, o Salvador (vá despejando água na garrafinha), e sua vida foi transformada... em um instantinho! De vazia, sem vida, Rosa Garrafinha sentiu a Graça de Deus enchendo a sua alma em toda a sua plenitude. A costura, seu egoísmo de fazer somente o que lhe agradava – tudo isso desapareceu; e o Mestre, amigo das crianças, encheu a sua vida.

Rosa Garrafinha voltou correndo para casa.

- Mamãe – disse com o rosto todo iluminado – adivinha só o que aconteceu comigo!

- Mamãe Garrafa preparava apressadamente o jantar e nem quis prestar atenção para o que sua filha lhe dizia. Rosa, porém, continuou a seu lado, contando-lhe com alegria transbordante o que lhe acontecera.

Mamãe sentou-se. Impressionada com o testemunho de Rosinha, ouviu atentamente todas as experiências que havia tido naquela tarde e, meditando sobre a sua própria vida, sentiu-se também só, sem alegrias e necessitada de Alguém que a amparasse e tomasse conta de todo o seu ser. Lembrou-se do tempo de criança e de como havia aprendido a louva-LO; agora ali estava, arrependida de ter vivido longe dos caminhos de Deus, sem vida e sem a Água essencial à alma. Mamãe Garrafa então orou com a filha, ali mesmo na cozinha (coloque água na mamãe enquanto apresenta). Dali a instantes, era outra a atmosfera daquele lar. Até as panelas pareciam cantar junto com Mamãe e Rosa Garrafinha.

Esta auxiliou a mãe no preparo do jantar e logo tudo estava pronto.

Sete horas da noite. Chega Papai Garrafa, cansado e nervoso, pronto a responder de mau humor a quem lhe dirigir a palavra. Mas... que diferença! A mesa posta, a cozinha arrumada, Rosa em um vestido limpo e bem penteada. Mamãe com um rosto alegre e bem arrumada:

- Pronto, papai, aqui estão os seus chinelos e o jornal da tarde – disse-lhe a menina com um sorriso que o desarmou completamente.
Logo depois chega Florinda Garrafa, no momento em que a família se dirigia para a sala de jantar. Estranhou o ambiente – a calma, o sorriso nos lábios de todos – porém nada disse. “Que teria acontecido?” Pensavam papai e Florinda, muito desconfiados. Já na hora da sobremesa, aparece o Zezé Garrafa Bolão fazendo barulho, falando alto, mas... ao avistar na sala os pais e irmãs tão diferentes, ficou desarmado para continuar com sua atitude costumeira. Foi bem depressa para o quarto, aprontou-se o mais rápido possível e desceu para jantar.
Acabada a refeição, Papai não agüentou mais de curiosidade e, juntamente com Florinda e Zezé, procurou saber o que havia sucedido.
Mamãe contou então sua experiência daquela tarde. Rosa narrou também tudo quanto havia se passado com ela. Papai, Florinda e Zezé prestavam tanta atenção que pareciam querer engolir as palavras que escutavam. Depois papai (vá despejando água no Papai) com toda seriedade expôs o desejo que surgira em seu coração de se voltar para Deus, deixa tudo quanto até aquele momento havia sido a coisa essencial de sua vida.
Florinda, também, com lágrimas nos olhos reconheceu ter sido superficial, egoísta, orgulhosa (Despeje água na Florinda). Agora queria ser diferente pela graça divina.
Zezé Garrafa Bolão ouviu tudo atentamente. Uma tremenda luta se travava no seu íntimo. Queria deixar Aquele Amigo e Salvador entrar em seu coração ( derramar devagar um pouco de água em cima da bola), e por outro lado, outra força procurava persuadi-lo a conservar tudo quanto mais estimava – os jogos, o futebol, a BOLA.
Papai se rendeu; Cristo saciou sua sede espiritual com Água da Vida. Florinda, resolvida a abandonar todas as coisas passadas Abreu seu coração para que o Salvador lhe desse também daquela Água. Por fim, Zezé Garrafa Bolão, com fé tão simples de uma criança, confessou sua firme decisão (retire a bola e despeje água em Zezé Bolão) de receber de igual modo a Água da Vida Eterna.
Cristo entrou naquele lar, e a noite foi memorável para toda a família Garrafa. Todos juntos se ajoelharam e oraram, e pela graça divina aquelas vidas foram plenamente cheias da Água cuja “Fonte salta para a Vida Eterna”.
Esta é apenas uma estória extraída da imaginação de um ser humano, mas a verdade nela revelada é a de que pelo poder de Cristo Jesus podemos saciar nossas almas sedentas, porque Ele afirma: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (João 7.37b).

A ABELHA TRABALHADORA

(Fig. 1)




Era uma vez, uma abelhinha muito linda chamada . Ela era a mais linda abelha da colméia.

Vocês sabem o que é uma colméia? É a casa onde as abelhas moram.

Numa colméia existem muiiitas abelhas. E elas fazem um barulhão assim: Zumzumzummmmmmmmmm (imite o som da abelha).
As abelhas trabalham muito. Elas não param um minuto! Às vezes, viajam quilômetros e quilômetros para buscarem um pouquinho de mel que está em uma florzinha. Depois trazem o melzinho para a colméia.

Mas, às vezes, há abelhas que trabalham mais do que as outras.

E a nossa abelhinha aSusie, era assim. Trabalhava sem parar! Todos da colméia gostavam muito dela, porque ela sempre estava alegre. Seu cântico e sua risadinha enchiam de alegria a colméia.

Outro dia ela foi lá longe buscar mel e encontrou sua amiguinha caída no chão. Ela estava quase que morta, porque não havia conseguido encontrar mel nenhum. E como as abelhinhas têm uma bolsinha onde guardam o mel, quando estão com fome, elas comem.
Mas a amiguinha não tinha nenhum na bolsinha.

(Fig.2)

A Susie ouviu: ai,ai,ai...

Vocês pensaram que ela saiu voando embora?

Não! Ela procurou de onde vinha aquele chorinho e encontrou uma abelhinha caída.

Então tirou do seu mel, e deu a amiguinha e esperou até que ela ficasse forte e as duas foram buscar mais mel nas flores perfumadas e contentes voltaram para a colméia.

Susie que também era muito inteligente, penssou assim:

”Nós poderíamos fazer outra colméia bem mais forte do que a que estamos, porque eu estou vendo muito vento vindo por aí. É até possível que essa nossa colméia caía. E com o vento muito forte e a chuva, não vamos poder sair para buscar mel. É preciso ajuntar muito, muito mel e deixar quantidade para o tempo da chuva, numa colméia forte. Não quero ver nenhuma amiguinha caída no chão com fome!

(Fig.3)




Então Susie fez uma reunião.Toas as abelhas estavam presentes. Era um barulhão! Imite o som todos juntos)

Assim que Susie começou a falar, todas ficaram quietos.Que silêncio!Então Susei falou:

Nós vamos fazer uma coisa: Colher muito mel, trabalhar muito, e guardar o melzinho colhido para o tempo da chuva e do vento e faremos uma linda e forte colméia.

Então as outras abelhinhas disseram:

(Fig.4)



Zum...zum... zum... nós não queremos trabalhar! Você só pensa em trabalhar, trabalhar!
E começaram a caçoar de Susie.

- Nós- Disseram algumas delas- não gostamos de você e de suas amiguinhas! Fiquem vocês aqui, que nós vamos morar naquela árvore grande. Pois lá é fresquinho e tem flores com mel para todas nós!

E saíram voando fazendo barulho e foram para a árvore grande ali perto.

Não era isso que Susei queria, mais foi assim que aconteceu.

Vamos trabalhar amiguinhas? Disse Susie.

Vamos, vamos!

E trabalharam muito! Muito mesmo!

E as outras abelhinhas viam lá da outra árvore grande a correria das abelhinhas trabalhadoras. E começaram a caçoar delas dizendo assim:

- Bobas, só sabem trabalhar! Olhem para nós! Olhem!

E viravam cambalhotas e pulavam nos galhos frescos e macios cheios de flores da árvore grande.

- Querem um melzinho?

E chupavam a flores fazendo barulho. E riam:

- Aí é abafado. Aqui é fresquinho! Quá...quá....quá...
(Fig. 5)




De repente o céu ficou preto.

O jornal deu a notícia: furação.

Vocês sabem o que é um furação?

É um vento muito forte que até casas,arranca árvores e faz muitos estragos.

No dia seguinte, o vento começou a soprar (imite o som do vento). E soprou mais forte, e mais forte!

Susie e suas amiguinhas trancaram bem a porta da colméia.

- Mamãe- disse o nenê abelha- quero papa!

E a mamãe, contente deu o mel gostoso que estava guardado.

E o vento soprou mais forte ainda. A chuva grossa caia e o vento forte levava a chuva pra cá e pra lá. E fez um frio! As abelhinhas preguiçosas que estavam na árvore grande, tentaram segurar-se nas folhas e nas flores. Mas o vento derrubou as folhas e as flores, e elas caíram também.

-Vamos para a colméia de Susie. Depressa, disse a abelha mais preguiçosa.

E as que estavam ainda na árvore, tentaram voar para lá. Mas não conseguiram chegar. As que mais fortes foram até a portinha da colméia de Susei. Suas mãozinhas encostaram nela, mas não deu, Caíram ali mesmo!

(Fig. 6)


No dia seguinte, o vento passou, o sol pálido de inverno brilhou ainda meio gelado, quando Susie alegre, sorrindo, abriu a porta da colméia e oh! Suas amiguinhas preguiçosas que tanto caçoaram e tanto riram delas estavam arrastando tão devagar que pareciam mortas.

Pobrezinhas!!!

- Vamos vê-las? Disse a abelha mais velha e mais sabida da colméia, juntamente com Susie.

No mesmo instante, algumas abelhinhas saíram da sua casinha gostosa e quente e olharam as amiguinhas quietas e caídas ali no chão.

- Vejam! Estão se mexendo! Que vamos fazer?

Com uma carinha muito boa, Susie fez uma voz grossa para parecer importante e disse:

- Ajudem-me depressa. Vamos levá-las para dentro da nossa colméia. Elas precisam de comida e calor.

Não demorou nem um pouquinho, e as que gostavam só de brincar e caçoar já estavam lá dentro da casinha quente juntamente.

As outras colocavam mel na boquinha da cada uma delas, e as cobriram com um cobertorzinho bem quentinho. E elas dormiram, dormiram, até que escureceu.
De repente, uma delas abriu os olhos, sentiu forças, sentou-se, olhou para os lados e percebeu que estava na colméia das amiguinhas e começou a chorar e dizer:
- Obrigada amiguinhas, muito obrigada!
As outras também acordaram e quando perceberam o que estava acontecendo, ficaram muito envergonhas, abaixaram suas cabecinhas e disseram bem baixinho, com voz de abelhinha: Perdão e obrigada. E todas falaram ao mesmo tempo:

- Agora temos certeza de que é melhor trabalhar bastante e ouvir um bom conselho.

Podemos morar aqui com vocês?

E elas trabalharam ainda mais do que as outras e ficaram sempre muito amigas.
Que beleza, não?


fonte: http://www.escoladominical.net/showthread.php?1495-A-Abelha-Trabalhadora



Nenhum comentário:

Postar um comentário